quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Políticos tentam iludir trabalhadores em lay off para conseguirem votos

Em época de eleição é aquela velha história que todo mundo conhece: aparece um monte de político para fazer as promessas mais absurdas, com único objetivo de tentar conseguir votos. Gente que nunca apareceu para contribuir com a categoria e agora quer iludir todo mundo com falsas promessas. 

Foi o que aconteceu na sexta-feira (2), quando políticos fizeram uma esvaziada e desastrosa reunião com metalúrgicos do Complexo Ford que estão em lay off. O movimento, orquestrado pelo “ANTIPATIA” e seu puxa-saco da Câmara Municipal de Camaçari, e pelo pequeno grupo de oposição ao Sindicato dos Metalúrgicos, conseguiu reunir apenas pouquíssimas pessoas. Um fiasco total.
Durante a tal reunião, os políticos tentaram se aproveitar da crise que o Brasil atravessa e fizeram propostas mentirosas, completamente fora da realidade. Segundo relato de trabalhadores, os políticos disseram que “se tivesse mais gente na reunião, eles até dariam um jeito de garantir o emprego de todo mundo através de uma emenda parlamentar”. Que palhaçada! Uma promessa sem nenhum fundo de verdade, pois é impossível assegurar a empregabilidade em qualquer setor ou empresa através de uma “emenda”. 

Os poucos trabalhadores que ali estavam não se deixaram iludir. E é bom toda a categoria ficar atenta aos falsos profetas que só aparecem em época de eleição em busca de votos. Os metalúrgicos não caem nessa conversa fiada de maus políticos. É preciso destacar o papelão da oposição, que, sabendo do momento delicado da classe trabalhadora, colabora para uma reunião absurda dessa, baseada na mentira, enganando o trabalhador. Mais uma prova da sua irresponsabilidade com a categoria.

Trabalho de verdade para garantir o emprego dos trabalhadores, mesmo em tempo de uma grave crise da economia, é o que o Sindicato vem fazendo. Com extrema determinação e habilidade nas negociações, o Sindicato tem conseguido evitar um processo de demissão em massa e redução de direitos, como ocorre em quase todas as montadoras do país, como São Paulo.
Prova disso é que graças à negociação para implementação do lay off no Complexo Ford foi possível preservar o emprego de centenas de trabalhadores, que têm retornado aos poucos às atividades. Isso é trabalho de verdade. Não são falsas promessas de época de eleição.


Malandragem: políticos aplaudem trabalho do Sindicato, mas mentem para ganhar votos  
A situação é, no mínimo, absurda. Como pode a presidência da Câmara Municipal emitir uma moção de aplauso em homenagem ao Sindicato dos Metalúrgicos, e depois dizer o contrário só por conveniência, em busca de votos?
A moção, feita em março deste ano, destaca o trabalho do Sindicato “para manter 2 mil postos de trabalho”. Mas, semana passada, esses mesmos políticos, apoiados pelo “ANTIPATIA”, desdenharam do trabalho da entidade, prometendo, garantir o emprego por “emenda parlamentar”. Veja que contradição. Não se pode confiar em certos políticos. A categoria está de olho!


Cuidado com falsas informações na net

É sempre importante reforçar ao trabalhador o cuidado no consumo de informações em sites da Região.  Semana passada, um deles (como está abaixo destacado) trouxe uma informação improcedente, que pode confundir a categoria, de que “o terceiro turno retorna no começo do próximo ano”. 
Evidentemente, esse é o desejo e a luta de todos no chão de fábrica e do Sindicato, mas a informação ainda não procede. É incorreta.
Por isso, para evitar confusão, o ideal é que o trabalhador tire todas as suas dúvidas com os dirigentes sindicais e busque informações sempre no blog da categoria.

07/09/2016
STIM CTB CHAPA 1

Mais trabalhadores voltam de lay off na Ford, pela luta desse sindicato CTB Chapa1!

Mais 5 trabalhadores retornaram de lay off no Complexo Ford semana passada, entre eles Francisco Chaves, da Estamparia Linha 5, do turno da manhã.

Até agora, 409 funcionários que estavam com contrato suspenso em Camaçari retornaram do lay off, fruto do grande e vitorioso esforço do Sindicato nas negociações com o Complexo Ford. A expectativa é que mais e mais trabalhadores voltem ao chão de fábrica, fazendo a categoria superar a crise sem demissão em massa.










STIM CTB CHAPA 1
07/09/2016

sábado, 3 de setembro de 2016

Volks diz ter 3,6 mil funcionários excedentes em fábrica de SP

Montadora quer rever acordo que mantém empregos até 2019.
Empresa alega que o mercado piorou muito desde então.
Volkswagen abriu negociação para reorganizar a fábrica de São Bernardo do Campo (SP), que teria um excedente de 3,6 mil funcionários, segundo informou o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. A mão de obra que deve ser afetada pela reestruturação representa 34% dos 10,5 mil empregados do local.

Para evitar cortes em massa, a fabricante de veículos quer promover demissões voluntárias, redução de salários e corte de benefícios, apontou a entidade de trabalhadores.

No começo de 2015, a montadora chegou a demitir 800 pessoas, mas voltou atrás após 10 dias de greve. Na ocasião, a empresa fechou um acordo que garante o nível de emprego na planta Anchieta até 2019.

No entanto, o acordo valeria apenas para um cenário de produção acima de 250 mil veículos por ano seja atingido, marca que não será alcançada neste ano, afirmou o sindicato.

"As projeções da Anfavea apontam para uma indústria de 2 milhões de veículos em 2016, uma queda de praticamente 20% comparado a 2015, e 40% comparado a 2014, quando foi estabelecido o acordo trabalhista em vigência com os empregados da Volkswagen do Brasil, para a fábrica Anchieta", informou a empresa em nota enviada ao G1.
"Por essa razão, a empresa retomou as discussões com o sindicato para que nas próximas semanas sejam construídas alternativas para o novo cenário que se impõe, além de outras medidas de eficiência e organização para a fábrica Anchieta”, completou a Volkswagen.
As vendas de carros da Volkswagen acumularam queda de 35% no primeiro semestre deste ano sobre o mesmo período do ano passado. Já os licenciamentos de comerciais leves da marca tiveram queda de 36% na mesma comparação.
Detalhes da proposta
De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, a negociação deve envolver cerca de 2,5 mil trabalhadores da produção e 1,1 mil da área administrativa.

A proposta foi apresentada pela Volkswagen na semana passada e inclui programa de demissão voluntária (PDV), utilização de Programa de Proteção ao Emprego (PPE) e layoff, alterações de salários, de funções, no banco de horas e na jornada de trabalho, além de recálculo da Participação nos Lucros e Resultados (PLR).
"Pela proposta apresentada, os trabalhadores ficariam sem reajuste salarial nos anos de 2017, 2018 e 2019", afirmou o sindicato. Atualmente, 8,4 mil trabalhadores estão sob o regime de PPE, até 30 de setembro, e 610 estão em layoff, iniciado em março.
03/09/2016

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Só deu Camaçari na Copa de futebol

Os times de Camaçari sobraram em campo, na rodada do Campeonato de Futebol dos Metalúrgicos, no domingo (7/8). As quatro equipes venceram os jogos no Sesi Simões Filho. Veja o placar abaixo. O Campeonato retorna no domingo, dia 21, por causa do Dia dos Pais. Compareça! Em dias de jogos os trabalhadores sindicalizados e suas famílias têm acesso ao Sesi Simões Filho.
RESULTADOS DIA 7/8
IP FORD 6 X 3 BORUSSIA/SODECIA
VALE 1 X 2 GAMESA
ATLÉTICO FORD 5 X 1 ESSEL
AUTOMETAL 0 X 1 FLEX FORD

PRÓXIMA RODADA DIA 21/8
IP FORD X BOSCH
ESSEL X PAPAIZ

sábado, 27 de agosto de 2016

Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari comemora 15 anos de lutas e conquistas históricas

O Sindicato dos Metalúrgicos de Cama­çari/CTB completou 15 anos de fundação no último dia 8 de agosto. Uma história marcada pela união entre a entidade e a categoria que, desde então, tem resultado em um processo histórico de avanços.
Ao longo dessa uma década e meia, o Sindicato construiu um caminho de luta e se transformou numa referência nacional quando se fala em movimento sindical.
São muitas as conquistas que o Sindicato alcançou nesses anos, desde aumento de salários, PLR, abono, cesta básica, redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais sem diminuição de salário, e o recente processo de luta e mobilização, que evitou demissão em massa e assegurou uma série de direitos mesmo num grave momento da economia nacional. Sem falar nos investimentos no patrimônio da categoria, como a construção do Metal Clube e a Reforma da sede da entidade.
Por isso, o Sindicato preparou esta edição especial do jornal, para comemorar este importante marco para o movimento sindical.
  
Desde 2001, benefícios e salários resultaram em mais de R$ 1,6 bilhão para os trabalhadores
Os avanços econômicos para os trabalhadores são marcas do STIM Camaçari. Desde 2001, os acordos negociados pela entidade e as empresas renderam mais de R$ 1,6 bilhão para a categoria, entre aumento salarial, PLR, cesta básica, abono etc.

Só para se ter uma ideia do avanço, o salário proposto pela Ford na época da sua instalação na cidade, para a função de operador, por exemplo, era de apenas R$ 445,00, bastante inferior ao que o Sindicato acabou assegurando, e que tem crescido ao longo dos últimos 15 anos. Usando como referência o piso 62 (R$ 1.628,23), a PLR hoje, por exemplo, equivale a 11 salários, quase um ano todo de trabalho.
“Outra conquista histórica foi a redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas, sem redução salarial, um sonho ainda distante para várias categorias no país, mas uma realidade para os trabalhadores do Complexo Ford”, diz Júlio Bonfim, pres. do Sindicato.
No setor de autopeças as vitórias também são muito significativas. A composição da tabela salarial é exemplo disso. Feito com base em tabelas de outras plantas da Ford, foi a cada ano sendo melhorada e hoje está entre as melhores do setor no país. Aliás, o modelo do Complexo Ford com autopeças é o único da América Latina, tamanha a sua relevância para a montadora.
  
O Sindicato e a instalação do Complexo Ford
 A Ford chega a Camaçari em 2001 e a partir daí se dá um intenso movimento do então governo de ACM em criar um Sindicato submetido aos interesses tanto da montadora quanto do próprio governo. A intenção era clara: rebaixar o contrato de trabalho e fazer do Sindicato uma entidade inoperante. Esse grupo, que não tinha nenhuma ligação com a categoria, fez de tudo: invadiu e forjou assembleias, tentou ludibriar a Justiça, e usou até o aparato policial do Estado. Mas, não teve jeito. O Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari foi fundado de forma legal, por trabalhadores da categoria e já nasceu de forma independente dos patrões e do governo, tanto que conseguiu já na instalação da montadora alterar o contrato de trabalho. Hoje, o trabalhador se orgulha da sua entidade de classe, pois sabe que historicamente sempre esteve ao seu lado.


Investimento no Patrimônio da categoria
Inaugurado no dia 18 de outubro de 2014, o Me­tal Clube em pouco tempo se transformou em impor­tante espaço e ferramenta de lazer dos trabalhadores. Construído em Jauá, a poucos metros da praia, o clube dispõe de mega estrutura, oferecendo comodidade e conforto à categoria. O Metal Clube tem uma área que equivale a 4 campos de futebol, um verdadeiro centro de lazer, com piscinas adulta e infantil, quadra de fut­sal, campo de futebol society, academia, salão de jo­gos, serviços de bar e restaurante e muito mais.
Desde sua fundação, o clube também tem sido pal­co de grandes comemorações, como o Forró dos Metalúrgicos, Dia das Crianças, Dias das Mães, Dia dos Pais, shows de música gospel, encontros de confraternização, competições esportivas etc.


Reforma da sede: mais conforto e comodidade
Sempre com o olhar para o futuro, o Sindicato dá outro grande passo para valorização do patrimônio dos trabalhadores. A sede da entidade, no Centro da cidade, está sendo totalmente reformada para garantir mais segurança e comodidade aos associados.
A reforma estrutural vai promover uma grande modernização da sede, com a construção de um novo andar, mais um auditório, aumento do número de salas de aula, ampliação de diversos setores, como biblioteca, Jurídico, Homologação e atendimento plantonista, além da instalação de um elevador no prédio, entre outras mudanças.
O prédio também está sendo preparado para futuramente sediar o Centro de Formação Técnica dos Metalúrgicos de Camaçari e o curso preparatório para o ENEM.

 Superando a crise com preservação do emprego e garantia de direitos
Diferentemente da maior parte do Brasil, em Camaçari os metalúrgicos estão conseguindo vencer a crise econômica, sem demissão em massa ou retirada de direitos. Em São Paulo, por exemplo, montadoras como a Merce­des-Benz estão demitindo e acabando com a produção. A montadora alemã ameaça demitir 10 mil funcionários.
Desde o agravamento da situação no país, o Sindicato tem negociado de forma séria e determinada em buscar todas alternativas que assegurem a empregabilidade. Prova disso é o processo de lay off no Complexo Ford e nas autopeças, que foi fundamental para evitar demissões, e requalificar esses funcionários com contrato de trabalho suspenso. Assim, o Sindicato também tem conseguido junto às empresas o retorno deles às atividades.


Educação Também é com a Gente!
Uma das prioridades do Sindicato sempre foi a capacitação do trabalhador. Um dos projetos de maior sucesso é “Educação é com a Gente!”, que oferece aulas de preparação para trabalhadores que desejam fazer concursos públicos e o ENEM, visando o ingresso no ensino superior.
O projeto já teve participação de professores de grande prestígio nacional, como Pasquale Cipro Neto e Jorge Portugal, atual secretária de Cultura da Bahia. Com salas de aulas lotadas, o projeto retorna após conclusão da reforma da sede do Sindicato.

Papel fundamental da CTB, Fitmetal e Fetim

Um dos pilares da luta dos trabalhadores é a colaboração da CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil) e da Fitmetal (Federação Interestadual dos Metalúrgicos). As duas entidades têm agido com destaque para ajudar a categoria a se organizar, mobilizar e defender os seus direitos.
A Fetim (Federação dos Metalúrgicos da Bahia) também tem destaque nessa luta, já que congrega e organizar os sindicatos de base.
A CTB é fundamental para reforçar a pauta da classe trabalhadora: contra a terceirização, pelo fim dos juros altos, pela redução da jornada de trabalho, valorização do trabalhador, investimentos públicos em qualificação, geração de emprego e renda, combate ao preconceito no mercado de trabalho etc.

27/08/2016

sábado, 20 de agosto de 2016

Trabalhadores da Sodécia em lay off retornam ao trabalho, mas greve não é descartada

Os trabalhadores da Sodécia que estão em lay devem retornar às funções nesta quarta-feira (17), mas isso não diminui o clima de mobilização da categoria. O chão de fábrica e o Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari estão de olho no Retorno desses trabalhadores, para que tudo ocorra dentro da normalidade. 

Se houver retaliações da Sodécia, como medidas judiciais ou mesmo o descumprimento do acordo assinado pela empresa, o movimento vai deflagrar greve na empresa.
Depois de ameaçar não garantir o retorno desses trabalhadores em lay off, a Sodécia voltou atrás por causa da indignação e pressão exercida pelo Sindicato e pelos trabalhadores. Finalmente, a empresa aceitou cumprir o acordo, assinado e reforçado em e-mail enviado ao Sindicato.
Mas, é preciso ficar atento aos movimentos da Sodécia, que precisa  definitivamente cumprir com sua palavra e assegurar a volta dos trabalhadores em lay off às atividades. “Vamos seguir vigilantes aos passos e decisões das Sodécia. Em nenhuma hipótese vamos aceitar retaliações. A empresa tem que ter a responsabilidade e cumprir o acordo. Daqui pra frente, será preciso que a Sodécia saiba reconstruir a sua relação com o Sindicato e o chão de fábrica, pois sua credibilidade está extremamente abalada”, explica Júlio Bonfim, presidente do STIM Camaçari.  

18/08/2016

Mercedes suspende 10 mil trabalhadores em São Bernardo (SP) e ameaça demitir em massa


A situação dos trabalhadores da Mercedes-Benz em São Bernardo, em São Paulo, se agrava a cada dia. A montadora suspendeu a produção da fábrica de caminhões e ônibus nesta segunda-feira (15), por tempo indeterminado. Assim, 10 mil funcionários estão sem trabalhar. Para se ter uma ideia, é como se toda a produção do Complexo Ford estivesse parada.

A medida foi anunciada pela Mercedes na última sexta (12) e ocorre cerca de 10 dias depois de a montadora dizer que haverá demissões na unidade. A montadora informou que há um excedente de mais de 2 mil trabalhadores na unidade. Caso as demissões se confirmem, os cortes só podem ser feitos a partir de setembro, pois, devido à adesão de toda a fábrica ao Programa de Proteção ao Emprego (PPE) entre setembro do ano passado e o fim de maio deste ano, os funcionários têm estabilidade até 31 de agosto.
Desde junho, cerca de 1,8 mil funcionários da Mercedes já estavam em licença, também por tempo indeterminado. Na mesma época, a montadora tentou reduzir o quadro de funcionários com um Programa de Demissão Voluntária (PDV), mas a adesão ficou abaixo do que a empresa esperava, chegando a 630 funcionários.

17/08/2016

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Trabalhadores curtem Dia dos Pais com programação especial no Metal Clube


Os Dias dos Pais, neste domingo (14), foi comemorado com uma programação especial no Metal Clube. Os trabalhadores sindicalizados e suas famílias curtiram um dia de multo sol na piscina, todo o conforto e estrutura do clube, e com música de qualidade. 

O som voz e violão animou a data tão especial para os papais metalúrgicos, numa comemoração que ajudou a integrar ainda mais a categoria, numa programação pra todas as idades. 

O Sindicato dos Metalúrgicos de  Camaçari aproveita para parabenizar todos os pais metalúrgicos nesta data tão especial!

16/08/2016

Compartilhe em suas redes sociais

Twitter Orkut Facebook Digg Stumbleupon Favoritos Mais